Blog

Notícias, inpirações e dicas

Desenvolvimento da Web Mundial – Da Web1 à Web3

Desenvolvimento da Web Mundial – Da Web1 à Web3

15.02.2022 Caroline Rebelo

A World Wide Web (WWW) já existe há mais de três décadas.

Naturalmente, a web hoje em dia é muito diferente da web nos anos 90. Está em constante evolução e estamos a acompanhar este desenvolvimento com os rótulos Web1 ou Web 1.0 (a primeira iteração da web), Web2 ou Web 2.0, que é a atual geração, e Web3 - um novo conceito e conjunto de funcionalidades que está a entrar na vanguarda agora.

O que significam todas estas versões? Iterações?

Cada nova iteração da web traz novas funcionalidades, mas não significa que a "versão" anterior seja cancelada ou que ela não existe mais.

Embora agora estejamos na chamada web 2.0, ainda existem websites feitos (e alojados) com base no princípio da web1. O mesmo se aplica à web3 - mesmo quando esta se tornar a versão dominante da web, web1 e web2 ainda existirão. Os websites acrescentarão novidades da web3 às funcionalidades existentes da web1 e web2.

Como dito, web1, web2 e web3 não são três redes mundiais separadas, mas cada uma delas traz novas ferramentas, funcionalidades e conceitos para a rede mundial existente . Vamos conhecê-los.

Web1 (Web 1.0)

A Web1 é a primeira versão da World Wide Web. Foi feita por Tim Berners-Lee, um programador britânico que estava a trabalhar no CERN em Genebra na altura.

enter image description here

A equipa definiu três elementos básicos da World Wide Web:

  • Linguagem HTML - na qual as páginas da web são escritas.

  • Web browser - um programa no qual acessamos páginas da web

  • Protocolo HTTP - através do qual os computadores se comunicam entre si.

Exemplo de comunicação HTTP: Se abrir um browser e introduzir smartninja.pt, o teu computador envia uma solicitação (request) para o servidor SmartNinja, que devolve o código HTML e o computador o exibirá na forma de uma página web.

O período da web1 durou de 1991 a 2004. Este período é caracterizado pelo fato dos proprietários de websites os alojarem principalmente nos seus próprios servidores em casa. E não nos servidores de gigantes da Internet, como é o caso atualmente (a chamada nuvem, como o Google Cloud ou o Amazon AWS).

A vantagem dessa abordagem (hospedagem própria) era uma maior descentralização da web, mas, por outro lado, os websites alojados em casa tinham uma acessibilidade global mais fraca. Se houvesse uma falha de energia e o proprietário do website não estivesse em casa na altura (para reiniciar o servidor), o website ficaria inacessível durante bastante tempo.

Outro problema identificado era relacionado às demasiadas visitas ao website simultaneamente, pois, quando ele se tornava subitamente muito popular, o servidor não era capaz de captar tanto tráfego. Antes do proprietário atualizar o servidor ou substituí-lo por um melhor, já poderia ter perdido muitos visitantes à custa da impossibilidade de acesso ao website.

enter image description here

A Web1 caracteriza-se também por páginas web na sua maioria estáticas. O que significa que o visitante só podia ler o conteúdo das páginas web, mas não podia publicar nada nelas ou ter outras formas interagir com elas.

Web2 (Web 2.0)

A Web2 trouxe-nos websites dinâmicos que permitiram ao utilizador interagir mais.

Assim, não é de se admirar que as redes sociais tenham surgido com a web2. Os utilizadores puderam criar as suas próprias contas em páginas web, publicar seus registos, fotos, blogs, carregar conteúdo de vídeo e etc. Com a web2, a web tornou-se muito mais dinâmica e interessante. Em vez de proprietários de páginas web, o conteúdo passou a ser publicado pelos próprios utilizadores.

enter image description here

Ao mesmo tempo, este período também é marcado por uma maior centralização da World Wide Web nas mãos de algumas empresas de tecnologia, que se encontram agora entre as maiores do mundo (Facebook, Google, Microsoft, Amazon, etc.).

Como a nova e dinâmica World Wide Web permitiu aos utilizadores partilhar fotos, vídeos e outros ficheiros enormes (e, ao mesmo tempo, o número de utilizadores da Web aumentou significativamente), o alojamento de websites em casa estava a tornar-se cada vez mais difícil.

Não só o proprietário do website precisava de ter um servidor melhor – normalmente, apenas um servidor já não era suficiente, pelo menos não para um website popular com muito conteúdo visual.

enter image description here

Em vez de alojar websites em casa, os programadores optaram por alojar com grandes fornecedores especializados, ou seja, na chamada "nuvem". Os maiores fornecedores de "serviços em nuvem" são a Amazon (AWS), Microsoft (Azure) e Google (Google Cloud).

Com estes fornecedores, pode-se alugar um servidor para o seu website com apenas alguns cliques. Eles também lhe permitem ajustar dinamicamente a capacidade de visitar o site. Desta forma, se um dia houver um grande número de visitantes no seu site, novos servidores são automaticamente iniciados e todo esse tráfego é distribuído entre eles.

No entanto, quando o tráfego é novamente reduzido, o número de servidores atribuídos ao seu sítio web é automaticamente reduzido. Desta forma, podes garantir que o teu website está sempre disponível para os visitantes.

Web3

Apesar dos benefícios que a web2 trouxe aos proprietários de websites (alojamento mais fácil e flexível), isto também trouxe algumas desvantagens. Mais especificamente uma maior centralização da web.

enter image description here

Uma vez que a grande maioria dos websites estão alojados nas nuvens dos gigantes da tecnologia, eles estão à sua mercê ou descontentamento.

Se essas corporações não gostarem de um website, elas podem simplesmente desligá-lo. Podem exigir que o proprietário o hospede noutro local. Os websites Web2, no entanto, estão também sujeitos aos problemas técnicos destes grandes fornecedores de alojamento. Não há muito tempo, devido a problemas técnicos na Amazon AWS, um grande número de websites estava inacessível, tais como Twitch, Reddit, Twitter, Hulu, HBO Max, Shopify e, claro, a loja online da Amazon.

A centralização não é apenas um problema ao nível do servidor ou do alojamento do servidor. A centralização da web também se reflete ao nível dos próprios websites.

O proprietário do website pode facilmente encerrar a conta de um utilizador, alterar os dados, publicações e/ou outros conteúdos que este utilizador tem nas bases de dados desta aplicação web. E este é um problema que a web3 resolve.

A Web3 oferece aos utilizadores o controlo sobre os seus próprios dados e conteúdos.

O primeiro exemplo é o dos dados financeiros, uma vez que este é também um dos dados mais sensíveis.

Se utilizares um serviço de pagamento web2 (como o PayPal), confias completamente o seu dinheiro a esta empresa. O PayPal pode congelar os teus fundos em qualquer altura, confiscá-los ou mesmo encerrar a tua conta. Deixando-o como utilizador apenas com uma longa viagem através dos canais de apoio ao cliente, ou mesmo, através dos tribunais.

Por outro lado, na web3, os teus recursos (e os teus dados) estão sempre sob o teu controlo. Os dados são registados numa base de dados chamada Blockchain, que não é controlada por qualquer indivíduo ou empresa, mas é descentralizada. Isto significa que ninguém pode alterar arbitrariamente (fora das regras programadas) esta base de dados.

A conta Web3 pode ser aberta por qualquer pessoa, ninguém pode encerrá-la e os fundos na conta estão sob o controlo total do proprietário da conta.

Tudo isto é possível através da Criptografia, razão pela qual o termo "moeda criptográfica" foi adotado para estes meios. Porém, a web3 permite muito mais do que apenas a utilização de fundos. A Web3 também permite armazenar outros tipos de dados, tais como imagens e *vídeos *em sistemas descentralizados, como IPFS e Arweave.

No entanto, estão a surgir os primeiros rudimentos da infraestrutura que permitirá redes sociais descentralizadas, onde (ao contrário da web2) o utilizador terá os seus dados sob controlo e não o gigante da tecnologia (como o Facebook ou Google).

Imagina uma rede mundial onde *podes fazer login em qualquer website com uma conta *(que está completamente sob o teu controlo). Não serás impedido de utilizar o website só porque não és do país "certo" (por exemplo, dos EUA). Ninguém pode encerrar ou congelar a tua conta. Já não precisas de palavras-passe. Entretanto, os teus dados e recursos estão completamente sob o teu controlo.

Bem-vindo à web3!

Web3 Descentralizada Blockchain programação portugal

Sabe mais sobre os nossos cursos

Web Development 1 (online)

Web Development 1 (online)

Online 05.09.2022

Aprende como construir sites e aplicações web! Durante as 12 semanas de curso, irás aprender a desenvolver tanto o front-end como o back-end de websites.

A partir de 399,00 EUR

Candidata-te aqui

Subscreve a nossa newsletter!